A rua escondida

Voce gosta de ajudar, portanto — assobiou, quase espirrando a saliva. — Bem, ajusta-me!

Nao foi a tempo eu e uma boca para abrir-se como me empurrou, forcando para aumentar por um passo em cima. Descansei umas costas contra uma porta de vidro da loja e agora so pensei naquela como livrar-me desta louca. Pela loja la passou a multidao, mas qualquer pessoa ate nao olhou no nosso partido, ninguem ficou interessado, lancou um relance superficial ate acidentalmente.

Pisquei olhos para um lado, reflexao, mas se nao me vir atras do pao, se assim me aperto a uma porta de epicurista. Atras de uma janela da demonstracao as pessoas absolutamente indiferentes ao que ocorreu em volta do andado de cima para baixo.

— Bem! — a mulher impacientemente picou-me com uma muleta em um peito. — Vem! E esteve cansado da espera la.

Rememorei. Realmente, daquele partido de uma porta duas mulheres ja se apressaram da escrivaninha de caixa a uma saida. Empurrado o vao de porta no interior, quis desenvolver-se, mas tropecou sobre um alto porozhek. Maos desajeitadamente tremuladas, tentando guardar o equilibrio, mas aqui isto anormal a segunda vez bateu em mim com uma muleta, e parti para tras, gritando e convulsivamente desejando o ar.

Segnala o richiedi rimozione

Condividi questo libro

Recensioni e articoli

Aggiungi una recensione   Aggiungi un articolo

Non ci sono ancora recensioni o articoli